O meu poema engarrafado

Atualizado: 9 de dez. de 2021

Se voz eu tivesse impercetível ou não declarar-me-ia, Amor com todas as inspirações em mim submersas

Se a minha alma apreendesse o teu andar meninal e este caso poema fosse possível confessar-me-ia, Amor com todos os vigores em mim inscritos

Se eu pudesse evaporar deste asilo descontente e arrebatar o amargo cantar-te-ia, Amor com a miscelânea de todas as melodias em mim fermentadas

Se os versos pudessem libertar-se deste vaso desconfortável e respirar o ar lírico das minhas lucubrações poéticas eu gritaria ao mundo inteiro a minha doidice por ti, Amor com toda a loucura em mim timbrada pelos Deuses do Indico

Se eu pudesse, se eu pudesse… mas vida mia eu vivo neste asilo descontente onde o meu poema engarrafado ainda espera por luzes e sonhos!


36 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O teu silêncio machuca O teu silêncio fala e diz algo que não apazigua o meu coração O teu silêncio transmite frieza e distância Teu silêncio silencia a minha voz, as minhas vontades, as minhas div